Saúde das Articulações

Como adoramos ver o nosso cão a correr e a brincar incansavelmente e como gostaríamos que fosse sempre assim!

No entanto, sendo ele um ser vivo, o nosso cão poderá sofrer de algum problema de mobilidade ao longo da sua vida devido, por exemplo, a um traumatismo.

Na verdade, os traumatismos não são os únicos que podem reduzir a mobilidade dos nossos cães, pois existem outros fatores, como o porte grande, o excesso de peso, o exercício intenso ou a idade avançada, que podem afetar a sua capacidade de locomoção.

Para se conseguir intervir a tempo neste processo de degeneração gradual, devemos estar atentos aos sinais de dificuldade de locomoção:

  • Dificuldades em se mover de manhã (rigidez articular matinal).
  • Recusa em executar o exercício habitual.
  • Dificuldades em caminhar.
  • Dificuldades em se levantar depois de estar deitado.
  • Problemas em caminhar após o exercício.
  • Utiliza mais uma perna que outra.
  • Dificuldade em subir e descer escadas ou entrar e sair do carro.
  • Dor ao ser tocado.
  • Maior apatia e pouco sociável.
  • Não consegue dormir nos locais habituais.
  • Perda de apetite.

Como as dificuldades de locomoção geralmente começam com a deterioração da cartilagem das articulações, o que, por sua vez, causa uma inflamação da área e provoca dor (a verdadeira responsável pela redução da mobilidade do cão), terá de ser o veterinário a determinar o tratamento adequado. Este poderá ser, em parte, um alimento especial.

Na Royal Canin, estamos conscientes da importância que o alimento possui no tratamento dos problemas de mobilidade. Por esta razão, dispomos de vários alimentos especiais.

O que é a Disfunção Cognitiva?

A disfunção cognitiva significa a alteração de determinadas capacidades sensoriais, tais como a perceção, a aprendizagem e a memória, sendo que os gatos, com o passar a idade, podem igualmente sofrer destes tipos de alterações.

Se o seu gato mia dia e noite sem motivo, irrita-se mais facilmente, se o encontra demasiado assustado sem razão ou se ele parece esquecer-se das rotinas básicas, como ir à caixa de areia, então é provável que ele sofra de disfunção cognitiva.

A sua origem está relacionada com a deterioração que o sistema imunitário vai sofrendo com o passar dos anos, que o torna menos eficaz no combate contra os radicais livres, que são a causa de muitas doenças degenerativas deste tipo.

Existem tratamentos médicos, para combater a disfunção cognitiva, melhoram o transporte de oxigénio para o cérebro e fornecem nutrientes específicos para ajudar a melhorar os sintomas. Tem-se demonstrado que o aumento da ingestão de ácidos gordos essenciais (metade do cérebro é composto por estes) e antioxidantes (para combater os radicais livres) na dieta pode ser muito benéfico.

Existem vários alimentos da Royal Canin para gatos, com idade superior a 12 anos, que foram concebidos para ajudar estes nossos amigos a combaterem a disfunção cognitiva, entre eles: 
Senior Consult Stage 2Ageing 12+ da Royal Canin.

 

Exames Veterinários e o Gato Sénior

O velho ditado que diz que um ano de gato equivale a sete anos humanos não é exatamente verdade. Alguns especialistas afirmam que um gato de um ano se assemelha a um jovem de 16 anos. Quando o seu gato entra no seu segundo ano, é como um jovem adulto de 21 anos. Após essa idade, pode assumir que por cada ano que o seu gato vive, envelhece quatro “anos humanos”.

Com essa evolução, não demora muito tempo até o seu gatinho se tornar num cidadão sénior. A American Association of Feline Practitioners (Associação Americana de Profissionais Felinos) afirma que o gato avança para a idade madura quando tem entre 7 e 10. É considerado um gato “sénior” entre os 11 e 14 anos e gato “geriátrico” com mais do que essa idade.

À medida que vai envelhecendo, o gato é mais suscetível de sofrer de muitos dos mesmos problemas de que os seus companheiros humanos sofrem com o passar dos anos, a única diferença consiste no facto de o gato não ser suscetível a queixar-se das suas dores e desconfortos físicos, das oscilações do seu apetite ou dos seus problemas digestivos ou renais. De facto, os felinos tendem a esconder os seus problemas físicos. O gato é um predador, mas também uma presa. Está na sua natureza esconder as suas fraquezas.

Os especialistas recomendam visitas semestrais ao médico veterinário no caso de gatos sénior para estabelecer uma linha de base e detetar problemas numa fase inicial, antes de estes se tornarem mais difíceis (e mais dispendiosos) de tratar. O seu médico veterinário irá realizar um exame físico típico, do nariz à cauda, para verificar a pelagem do seu gato, o seu tónus muscular e o estado dos seus órgãos, olhos, ouvidos e boca.

O médico veterinário do seu gato também poderá querer realizar testes de triagem básicos que podem precisar de ser repetidos anualmente. Estas triagens podem incluir testes de medição da pressão sanguínea do seu gato, contagem de células sanguíneas, análise da função hepática e renal, bem como da tiroide. Tais análises podem indicar sinais de doença tal como doença renal e hepática, hipertiroidismo e problemas urinários.

Como defensor da saúde do seu gato, o seu trabalho consiste em estar atento a sinais de alerta e a consultar o seu médico veterinário acerca de alterações comportamentais e fisiológicas que observar à medida que o seu gato envelhece.

  • Alterações alimentares. Consulte o seu médico veterinário sobre quaisquer alterações nos hábitos alimentares do seu gato sénior. O aumento ou perda de peso indesejado nesta fase da vida do seu gato pode indicar um problema de saúde. O seu médico veterinário deve estar envolvido em quaisquer decisões relativas a alterações na dieta de um gato maduro. Aprenda mais sobre como a linha de alimentos secos e húmidos para gato da Royal Canin pode desempenhar um papel para ajudar o seu gato a manter um peso e um estilo de vida saudáveis.
  • Alterações da mobilidade. O seu gato ainda consegue alcançar facilmente os pratos de alimento e de água, subir à sua cama? e à sua caixa de areia, consegue entrar e sair facilmente? Não é invulgar que um gato mais velho durma mais, mas também não é uma má ideia tentar que tenha períodos de atividade para promover o tónus muscular e a estimulação mental. Esteja igualmente atento à capacidade do seu gato para tratar da sua própria higiene. Uma pelagem emaranhada pode levar a odor corporal e caspa de gato.
  • Os olhos, orelhas e boca. Os gatos mais velhos tendem a sofrer de mais problemas dentários, o que pode prejudicar a ingestão e provocar dor significativa. À medida que vai envelhecendo, o gato pode também sofrer de perda de visão e de audição.
  • Outras alterações comportamentais. Alguns gatos mais velhos podem chorar durante a noite. Podem relacionar-se de modo diferente de alguma forma com as pessoas que vêem regularmente. Alerte o seu médico veterinário para tais alterações.

Pode observar alguns problemas que são simplesmente uma parte normal do envelhecimento do seu gato, mas, a menos que leve o seu gato ao médico veterinário, não saberá se essas alterações indicam algo mais grave. Certifique-se de utilizar o seu médico veterinário como um recurso para monitorar as necessidades fisiológicas e nutricionais do seu gato. Certifique-se de consultar o seu médico veterinário relativamente a ajustes recomendados à dieta do seu gato, à medida que o seu animal de estimação envelhece.

DICAS PARA LEVAR CONSIGO

  • Siga o conselho do seu médico veterinário acerca da frequência dos exames de rotina do seu animal de estimação.
  • Consulte o seu médico veterinário antes de realizar quaisquer alterações à dieta do seu gato sénior.
  • Não tenha vergonha de partilhar as alterações que verificar no seu gato com o seu médico veterinário.